sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Tarefa 7

Sínteses individuais e coletivas

2 comentários:

Cientistas disse...

Por Kelser de Souza Kock

Repensando a educação

A sociedade atual está cada vez mais preocupada em fazer com que os indivíduos elevem seu nível educacional e, dessa forma, contribuam para novas formas de pensar o mundo. Contudo os modelos educacionais muitas vezes não são questionados e a educação é feita de maneira padronizada reproduzindo valores que dificultam o olhar crítico do educando. Dentre os fatores que contribuem para isso, podemos citar a incompreensão da complexidade e a diferença dos indivíduos, os aspectos que envolvem a gestão do cuidado, a dificuldade de contemplar projetos temáticos e, por fim, a inadequação dos projetos político-pedagógicos.
Com relação ás diferenças individuais, podemos dizer que são inúmeras, culturais, sociais, econômicas, biológicas, enfim, uma gama de características que fazem com que o indivíduo seja único. Esse fato ilustra a complexidade de cada um de nós em enxergar e se inter-relacionar com o mundo. A simples relação binária entre causa e efeito não consegue explicar toda a teia de informações que envolve nossa vida. Nesse sentido, discutir a inclusão de um aluno diferente por ser deficiente perde um pouco do sentido. Talvez haja uma certa retórica cultural nessa fala. O processo cognitivo de aprendizagem de cada um é diferente, sendo assim, pode-se dizer que o aluno passa a ser excluído pelo rótulo ou estigma cultural que lhe é dado. Assim, o debate sobre a inclusão torna-se principalmente uma questão de preconceito.
Outra questão importante do processo educacional é a falta de cuidado com o outro. O excesso de formalismo nas grades curriculares enrijece as relações interpessoais no ambiente escolar e contribui para a falta de vínculo. A gestão do cuidado então, contribui para a formação de indivíduos capazes de compreender seus semelhantes.
No que se refere ao projeto temático, pode-se dizer que sua utilização rompe com a organização disciplinar, levando a uma visão mais integrada da realidade onde o tema gerador proporciona novos lugares de encontro e faz com que se aprenda a lidar com a liberdade de criação. Contudo é complexa sua abordagem e necessita de uma grande organização por parte dos docentes e discentes.
Finalizando, temos o projeto político pedagógico (PPP), o qual pode contemplar todos esses aspectos comentados anteriormente. A confecção de um PPP mais abrangente é compromisso de todos os envolvidos com a instituição escolar e deve-se basear em um modelo biocêntrico. Os aspectos ecológicos, afetivos, teórico-educacionais, operacionais devem estar descritos no PPP e moldar a formação dos educandos.

Fabrício Luiz Inácio disse...

Po Fabrício Luiz Inácio
O neoliberalismo torna-se ideologia dominante. É uma ideologia que procura responder à crise do estado nacional ocasionada de interligação crescente das economias das nações industrializadas por meio do comércio e das novas tecnologias. O neoliberalismo enfatiza mais os direitos do consumidor do que as liberdades públicas e democráticas e contesta a participação do estado no amparo aos direitos sociais. Representa uma regressão do campo social e político e corresponde a um mundo em que o senso social e a solidariedade atravessam uma grande crise. Precisamos mudar nossos conceitos da prática educacional.
Não violentamos as pessoas de quem cuidamos porque cuidar é uma dimensão fundante do amor, uma conduta relacional que procria eticamente a vida baseada numa estética do estar-junto no mundo. Nas violências não desconstruímos as formas de dominação e não instauramos a crítica sobre o que está posto e suposto como modo-de-ser em convivência, ao contrário, permanecemos acastelados atrás das cortinas das impunidades e das banalizações da vida. Nas violências preservamos as máscaras variáveis de uma sociedade que, de modo lamentável, orientou seu ser-estar civilizada pela exacerbação da dor e do sofrimento.Fazer valer o direito à Educação para todos não se limita a cumprir o que é de lei e aplicá-la, sumariamente, às situações discriminadoras. O assunto merece um entendimento mais fundo dessa questão de justiça social.
A escola justa e desejável para todos não se sustenta unicamente no fato de os seres humanos serem iguais e nascerem iguais. A extensão desse valor, portanto, precisa ser considerada, para não entendermos que todos os seres humanos sejam iguais em tudo.